quarta-feira, 14 de novembro de 2007


Hoje acordei em estado de graça. Acho que é pra compensar os demais dias da semana em que acordava sentindo todo o peso do mundo. Mais tarde é que me lembrei do sonho que tive e, aí entendi o porque de ter acordado feliz e leve.
A música como sempre, fazendo minha trilha sonora diária. Segunda-feira, ao chegar em casa, minha irmã mostrou o DVD do Jorge Vercilo que ela havia comprado. Assisti e amei do início ao fim. Minha irmã até brincou comigo dizendo: Nossa, você realmente gosta dele não? Cantou todas as músicas do show e até dançou! Aí eu falei: Realmente eu curto demais esse cara! Não tem uma única música dele que eu ouça e diga: Ah, esse é mais ou menos! Não, eu gosto de todas sem excessão. Elas vão de encontro ao que sinto, ao que penso, e o cara é muito inteligente em suas letras. O cara é muito culto pois aborda muitas questões históricas, deve curtir muito mitologia, religião, enfim, o Jorge é um cara pra lá de antenado com o mundo em que vive. Mas, voltando ao que estava dizendo, acordei com a música Abismo do Jorge Vercilo. E aí, lembrei-me de ter visto no DVD uma faixa extra em que ele canta essa música com sua parceira Ana Carolina. E ela é outra figuraça que me faz a cabeça com suas músicas e com seu talento vocal.
No final desse dia, outra canção ficou tocando em minha cabeça feito vitrola com disco riscado: a canção Eu não paro, do CD Quartinho. Quando ouvi pela primeira vez, fiquei paralisada com sua beleza melódica e sua letra que me tocou tanto. Em breve teremos show dela aqui em São Paulo e, é claro, estarei lá com certeza. Vejam que letra linda:


Eu Não Paro
Ana Carolina, Dudu Falcão e Lula Queiroga

Quando eu vou parar e olhar pra mim
Ficar de fora
E olhar por dentro
Se eu não consigo
Organizar minhas idéias
Se eu não posso
Se eu esqueço de mim?
E eu pensei que fosse forte
Mas eu não sou
Quando eu vou parar pra ser feliz
Que hora
Se não dá tempo
Se eu não me encontro
Nos lugares onde eu ando
Nem me conheço
Viro o avesso de mim?
Se eu não sei o que é sonhar
Faz tanto tempo
Tanto mar
E o meu lugar
É aqui?
Uma rua atravessada em meu caminho
Nos meus olhos
Mil faróis
Preciso aprender a andar sozinho
Pra ouvir minha própria voz
Quem sabe assim
Eu paro pra pensar em mim
Quem sabe assim
Eu paro pra pensar em mim











Nenhum comentário: