domingo, 10 de maio de 2009

Mulher coragem, sinônimo de Mãe

Falar de mãe, ou da mãe é ao mesmo tempo fácil e difícil demais. São tantos os adjetivos que torna-se quase impossível descrevê-las. Ao meu ver, a mulher que veio a essa vida para ser mãe, já nasceu com uma estrelinha a mais na testa e no coração. Nem todas vêm a vida para essa missão. Sim, digo missão porque o ato da maternidade, mais do que uma condição, é uma das missões mais lindas, árduas, penosas e benditas que um ser humano pode alcançar.

Você acha que estou exagerando? Discordo inteiramente. Ser mãe, é a representação viva do verdadeiro amor. Da doação ininterrupta à sua prole, das noites mal dormidas, da constante preocupação com nosso bem-estar, da intuição infalível que toda mãe tem com relação a seus filhos quando algo ruim acontece ou está para acontecer a eles e por aí vai.

Falarei um pouco da minha mãe que é um exemplo de garra, perseverança, fortaleza e uma fonte de amor inesgotável. Dona Ilda esteve em minha vida em todos os momentos: os ruins quando ficava doente, na escola sempre me acompanhando (ela nunca faltou a nenhuma reunião de pais), nas minhas pequenas conquistas, nos momentos de tristeza.

Mulher que desde menina levou uma vida difícil trabalhando na lavoura desde os 5 anos de idade mais ou menos, não teve quase nenhum estudo e, no entanto, é um poço de sabedoria. Dessa sabedoria que não se aprende em nenhum banco escolar e sim com a vida. Quando adolescente, ela se tornou para mim um ser incompreensível: pegava demais no meu pé, me dava bronca por tudo, vivia me vigiando. Além do mais, eu a achava boba e tinha a convicção de que ela deveria se separar de meu pai.

Meu Deus, quanta ignorância de minha parte e que falta de sensibilidade para perceber que tudo o que ela fazia por mim, era para o meu bem.

Hoje, já madura e experiente da vida, consigo enxergar que mulher brilhante e sábia que ela sempre foi. Sua sabedoria foi tanta que decidiu deixar que eu pensasse que era a grande conhecedora da vida. Imagine, logo eu que nada sabia!!! Hoje, com muita humildade, reconheço sua grandeza de espírito e curvo-me diante dela sobre todos os assuntos. Sempre procuro conversar com ela e saber sua opinião. Hoje, posso dizer que além de minha mãe, ela também é minha melhor amiga. Conversamos de igual para igual, faço confidências, damos muita risada...aliás, essa é uma das marcas referenciais de minha mãe: o sorriso sempre estampado no rosto. Minha sobrinha uma vez quando tinha por volta de três anos, chamou ela de "Vó iluminada". Percebe a sagacidade de uma criança? Perguntamos o porque dela chamar a vó Ilda assim e ela disse que era porque ela tinha o cabelinho todo prateado e um sorriso sempre iluminado. Não é lindo?
Bom, vou parando por aqui pois poderia passar um dia inteiro falando sobre ela e nunca chegaria nem à metade de todas as suas virtudes. Faço aqui minha pequena homenagem à minha mãe querida do coração Dona Ilda e estendo a todas as mães desse planeta.
Obrigada mãe por ter me dado o dom da vida e me ensinado a ser uma pessoa de bem!


8 comentários:

Anônimo disse...

Roseli, muito linda todas as suas palavras, te disse que havia faltado algo muito importante para descrever a nossa baixinha, ela tem um bom humor incrivel independente da situação ou ocasião.
Adora ouvir música, cantarolar e assoviar;caracteristicas que certamente herdamos da baixinha.
Estes e todos os motivos que voce bem descreveu nos faz AMAR DE PAIXÃO a Dona Ilda.
Mamãe Te Amo!
Seu filhão responsável por muitos de seus cabelos brancos - Ricardo

A Palavra Mágica disse...

Roseli,

Feliz dia das Mães hoje e sempre para a minha, para a sua e para todas as Mães!

Beijos!
Alcides

Milena disse...

Rose, que prazer te receber no meu blog!! Adorei!! Apareça sempre sim, viu? Eu também venho te visitar sempre por aqui, teu espaço é muito legal! Beijos!

Mi
;)

Mírian Mondon disse...

Oi Roseli! Linda e emocionante homenagem a D.Ilda, que tenho certeza que é mesmo iluminada por ter produzido uma filha como voce!
Ficou feliz que nós tenhamos o privilegio de ter amadurecido e crescido ao lado de nossas queridas mães, coisa que nem todos têm!

Beijos prá voce e para sua linda mãe!

Ester disse...

Uma palavra resumi o seu relato: emocionante!

Sua verdade expressas em suas palavras, soam como uma canção boa de se ouvir!

Parabéns à dona Ilda e que vc continue a propagar a sabedoria dela para as pessoas ao seu redor,


beijos,

Mírian Mondon disse...

Oi Roseli!

Tem uma merecida homenagem para voce lá no Café com Poesia!

beijos

Paulo Ka disse...

Oi Roseli,
Antes de tudo obrigado pela visita em meu blog e pelo comentário, fique a vontade para aparecer... sinta-se em casa!
Estava aqui fuçando e tenho que lhe dar meus parabéns, ótimo blog e ótimo gosto! Nas 1º postagens que vi já comecei a me identificar, pois curto Seal, Raul Seixas, sou viciado em café e participei também do Movimento Natureza, aliás, é um assunto que curto e me preocupo bastante. Nos vídeos laterais então Caracas Michael Bublé e Queen também não saem do meu Ipod, tanto que o show do Michael eu já vi, porém do Queen uma das minhas frustrações é não ter tido a oportunidade de ver.
Bem por último essa postagem dedicada à sua mãe é linda e entendo profundamente e concordo em gênero número e grau. Também já tive minha fase de achar minha mãe o ser mais estranho do planeta por pensar que de todo mundo, ela era sempre a que colocava empecilhos, dava bronca, reclamava, etc. Claro eu era muito jovem e hoje eu entendo bem a posição dela e agradeço, pois sou o que sou graças a ela, alias minha família ainda esta inteira, unida foi graças ao esforço e a batalha dela e isso eu nunca vou poder esquecer.
Realmente a palavra mãe possui vários adjetivos embutidos nela e com certeza como você disse já vem com uma estrelinha a mais na testa e no coração...
Beijos

Paulo ka
the K theory

Daniel Savio disse...

Texto interessante falando sobre a sua mãe...

Espero que esse sentimento passe a todos (não apenas motivado pelo dia das mães).

Fique com Deus, menina Roseli.
Um abraço.