sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Mico da vez: Peru de Natal


Voltando às minhas lembranças (micos) de Natal. Como já disso antes, são tantos...Mas tem um que além de engraçado, no dia fiquei bem nervosa e quase que acabei com a ceia de Natal.
Pra variar, estava eu toda enrolada com tudo que tinha de realizar: ou seja, compras pessoais, presentes de algumas pessoas que havia esquecido, tinha que ir ao cabelereiro dar um jeito em minha "juba", fazer as unhas e...ainda ir pra cozinha fazer o "rango" da turma. Consegui fazer tudo mas estava bem afobada com os fazeres gastronômico. Cansada, nervosa e com poucas pessoas pra me ajudar (além de ser orgulhosa e não pedir também), fiquei me virando na cozinha feito uma doida tentando fazer tudo ao mesmo tempo. Ao final, quando já estava praticamente tudo pronto, decidi abrir o forno para verificar como estava o peru de Natal. Qual não foi meu susto ao puxar a bandeja com o peru e ver que ele veio com tudo pra cima de mim. Não tive dúvidas: pulei rápido pois já fui vítima de queimadura com óleo quente durante uma fritura e sei bem o quanto isso doi. Pois é, já dá pra imaginar o que aconteceu não é mesmo? O peru lindo, dourado escorregou ao chão com tudo o que o acompanhava. Bem nessa hora, entra minha mãe e vê o desespero estampado em meu semblante além do susto. Estava literalmente cinza e estática diante de tal incidente natalino. A sala estava lotada de pessoas da família que fariam a ceia conosco. Todos já famintos aguardando o famoso "peru de Natal" ficar pronto e eis que se instala na cozinha essa desgraça!
-Mãe!!! E agora?! Falei já prestes a ter uma síncope nervosa e estragar o Natal de toda a família.
Minha mãe, que sempre foi uma mulher de fibra e com um humor pra todas as horas, começou a balançar a sua barriguinha volumosa prestes a explodir numa gargalhada sem fim.
O humor contagiante aliado à situação bizarra que acabara de acontecer na cozinha, foi tomando conta de mim também e, quando dei por mim, estava também explodindo numa gargalhada que parecia que não teria mais fim. O pior de tudo, é que ríamos baixinho para que ninguém nem suspeitasse do que acontecia por lá. Já estávamos chorando de tanto rir e com as pernas bambas quando decidi:
-Quer saber de uma coisa? Ninguém, além de nós duas vimos o que aconteceu, certo mãe?
-Certo filha. Qual a ideia?
-O que os olhos não vê , o coração nem o estômago sentem. Está seguindo meu raciocínio mãe?
-Sim, filha.
-Então, me ajuda a colocar o peru de volta na bandeja, vamos colocar de novo no forno e deixá-lo mais um tempo assando. Na temperatura em que se encontra o forno, não há bactéria que resista, certo? Vamos limpar toda essa sujeirada e vamos providenciar a ceia de Natal mais linda que já tivemos. Ninguém há de suspeitar. Continuando a rir, minha mãe me ajudou a resgatar o seu "Peru" do chão, montá-lo novamente, maquiá-lo para que ninguém percebesse o estrondo que ocorreu com ele e já pro forno.
Numa sintonia e sincronia rara de se ver entre duas pessoas, nós limpamos todo o chão da cozinha, os armários, a pia e, em pouco tempo, aquele ambiente reluzia de tão limpo. Não lembrando nem de longe o cenário pós-guerra que havia ficado quando o incidente ocorreu.
Após ficar pronto, levamos para a sala de jantar e, sinceramente? Nunca tivemos um peru de Natal tão gostoso como aquele! Todos comeram e repetiram se deliciando e elogiando o tempo todo nosso tempero especial que, é claro, ficou sendo um segredo meu e de minha mãe. Segredos culinários! Foi o que mamãe falou para todos. E assim, o que era para ser o maior mico natalino de todos os tempos, transformou-se numa reunião familiar das mais gostosas, calorosas e harmoniosas que tivemos! E todos ficaram se perguntando do porquê de minha mãe e eu estarmos tão felizes e com um brilho especial no olhar. Olhar esse que só nós duas sabíamos o que significava: cumplicidade!

7 comentários:

Mírian Mondon disse...

Ro!!!!! que delicia de historia.
Só voce para contar uma historia com tanta ternura e sabor!
O encanto que existia nos olhos da pequena Roseli, não se perdeu com o passar dos anos, e isso é o mais especial!

Passei para te desejar um 2010 de grandes alegrias e que se realizem alguns dos seus melhores sonhos!

Voce foi um dos presente que recevi nesse ano que passou! (ou foi antes? :)

Aproveito para deixar o novo endereço virtual do Café:

http://cafe-pontocom.blogspot.com/

beijos

O Profeta disse...

Um formoso menino estava mesmo alí
Tocou de leve o lado esquerdo do meu peito
Olhou-me com um luminoso sorriso
Deixou-me sem fala, sem jeito

Deixou-me no apagar de uma vela
Olhei novamente o mar
A calmaria voltou como por encanto
Mil criaturas inundaram-me o olhar

Golfinhos felizes assobiaram
A cria de uma baleia acenou-me
Uma andorinha do mar poisou no parapeito da janela
Uma maravilhosa e antiga história sussurou-me

As estrelas brilharam no celeste
A Lua estendeu seu manto de fino lusr nesta cena
Adormeci na imensidão deste mundo
No embalo de...Uma Noite Serena...


Uma noite serena

Um bom final de ano e luminoso 2010

Um terno beijo

Sonhos & melodias disse...

Oi Mirian,
Ter conhecido você e sua irmã, para mim, foi um grande acontecimento. Adoro sua pessoa e seu blog. Tenha um 2010 repleto de paz, harmonia , amor e muita saúde. Conto com sua presença nesse ano.
Bjs

Sonhos & melodias disse...

Meu querido poeta profeta, que lindo poema me presenteia. Obrigada pelo carinho de sempre e conto com você esse ano.
Um ótimo 2010!
Bjs

Daniel Savio disse...

Hua, kkk, ha, ha, que melda menina, mas não sei conseguiria fazer o mesmo...

Fique com Deus, menina Roseli Pedroso.
Um abraço.

Sonhos & melodias disse...

Só mesmo diante de tal situação para sabermos nossa reação. Mas foi muito divertido tudo isso depois.
Bjs

Georgia Aegerter disse...

Ai que eu nao ia gostar de passar por isso nao, viu.

Nem gosto de pensar.

Adorei as gargalhadas. As ouvi daqui.

Bjos