sexta-feira, 25 de junho de 2010

Desejo realizado

Jú se encontrava em cólicas de tanta ansiedade e tédio. Toda aquela encenação, todo teatro que desenrolava perante seus olhos não a emocionavam. Tinha seus pensamentos bem longe dali. Comparecera aquele evento por pura obrigação. No entanto, sua vontade era de estar quilômetros dali ao lado de suas amigas e amigos que já se divertiam com toda certeza. Sempre fora uma menina descontraída e agora, uma mulher, mesmo que mais amadurecida, atuando com desenvoltura em sua profissão onde era bastante respeitada, detestava esse tipo de evento. Muita pompa, muita frescura na sua opinião. Fora aquele discurso todo, blá. blá.blá...
De imediato, seus pensamentos voaram para aquele lugar onde gostaria de estar. Aquela agitação toda das pessoas se encontrando, se confraternizando numa sincera alegria, naquela euforia contagiante que sempre precedia a hora do show começar. Seus pensamentos voaram de tal forma para lá que, de repente, já sentia até mesmo os aromas de café da cafeteria que tinha logo no hall de entrada do teatro, sentiu até mesmo o perfume 212 Sexy, de Carolina Herrera que sua amiga Laura sempre usava nos shows em que iam juntas. Ah!!! como ela amava aquilo tudo! Aquela alegria genuína, as conversas animadas das fãs que se reuniam para falar de seu cantor preferido e de suas canções. Como será que ele se apresentaria naquela noite? Como estaria seu cabelo? Mudaria alguma coisa no show? Trocaria alguma música? faria uma piada nova? Tudo aquilo era bom demais e ela, Jú, estava fora de tudo isso. Num crescendo interminável, lágrimas brotaram de seus olhos e um desespero se instalou em seu peito.
Sua companheira ao lado na mesa em que se encontrava a consolou:
- Oh, Jú! Sei o quanto está sendo emocionante para você essa noite. Afinal, é a sua consagração como profissional do ano. Um prêmio mais do que merecido! Quer saber? Pode chorar bastante, hoje é válido! Mas olha, não chora muito pois sua maquilagem vai borrar toda menina.
E assim, rindo , virou-se de lado e começou a conversar com seu colega do outro lado sobre a perua esnobe que se encontrava na mesa oposta a sua.
Oh Deus! Quanta hipocrisia num único lugar! Como é difícil ficar aqui e ainda por cima, fingir que sou a pessoa mais feliz do planeta só porque ganhei um prêmio do ano. Trocava tudo por alguns minutos lá, ao lado de meus verdadeiros amigos. Aqui é uma tortura constante pois sei que todos que me rodeiam e veem me cumprimentar estão se corroendo por dentro de inveja e despeito. Queriam eles estar em meu lugar a receber tal homenagem. aqui tenho apenas cobras a serpentearem entre minhas pernas, prontas para darem o bote fatal. Oh! Deus! Queria tanto, tanto, tantoooo...
"Que poder é esse, o que é que eu fiz?
Que desejo é esse, o que é que eu quis?
Fez-se paraíso dentro de mim
Mas choveu granizo no meu jardim..."
O rosto de Jú se iluminou ante aquela introdução da música que ela tanto adorava ouvir e cantar.
Mas, o que ela estava fazendo ali? Como foi parar lá dentro do teatro lotado de gente até mesmo nos corredores? Sim, ela estava lá, não era sonho! Mas, como isso pode acontecer? Agorinha mesmo ela estava à mesa refinada daquele clube ouvindo aquela música jazzistica de fundo e agora, simplesmente estava lá.
- Ei moça! Vem, senta aqui que ainda tem lugar. Senta antes que o povo comece a reclamar.
- Obrigada!
- Pôxa! Esse cara canta muito não acha? Só conhecia uma música dele pela rádio e não sabia que tinha tantas músicas legais. Tô adorando!
- É...ele é o máximo!
- É sua primeira vez também?
- Não...já fui a muitos shows dele e em vários lugares. Até mesmo no litoral já fui só para assistir seu show.
- Ah! Então é fã mesmo!
- Sim. Tanto que até milagres faço só para vê-lo num show. Você não faz ideia rapaz! Por ele sou capaz até mesmo de me bilocar.
- Bi o quê moça?
- Ai lindinho, agora não dá para explicar. É muito complicado e não é o momento. Vamos curtir a música vamos!
-Tá certo! O som tá manero demais!!
O show transcorreu lindamente e, ao término, antes mesmo dele voltar para o biz, Jú se via novamente na mesa requintada ao lado de sua colega de trabalho que lhe perguntava:
- Hello! Jú, você está bem? Nossa! O vinho fez efeito rápido heim? Está zonza? Vem, eu te acompanho ao banheiro. Lá você molha o rosto um pouco, se refresca e voltamos pra mesa. Humm, o jantar está uma delícia não? Jú, Jú! Está me ouvindo? Credo! parece em transe mulher!
Jú começa a rir sem parar deixando sua colega sem entender nada! Que experiência! Contando ninguém ia acreditar, logo, deixa quieto.
- Calma amiga, é só o efeito do vinho mesmo. Fiquei um pouco zonza mas já estou bem. Vem, vamos voltar para a mesa que a noite está só começando. E saíram as duas rindo do banheiro.
Ao som do jazz cantado lindamente pela belíssima voz de Diana Krall, o resto da noite foi agradável para Jú. Ao chegar em seu apartamento, foi como de praxe, ligar a secretária eletrônica para ver suas mensagens. De imediato reconheceu a voz de Joana sua companheira inseparável de shows dizendo:
- Jú, eu sei que não está em casa a essas horas mas precisava ligar mesmo assim. Acredita que tenho certeza de ter visto você lá no show do Pedro? E olha, não foi só eu não! A Catarina também jura de pés juntos que te viu sentada ao lado de um rapaz nas escadarias do corredor. Miga! Piração total né? Acho que hoje abusamos um pouco da bebida. Seguinte: amanhã te conto em detalhes como foi o show, certo? Tchau!
Esboçando um sorriso maroto, Jú cantarolando a canção que lhe recebeu quando tudo aquilo aconteceu, foi para seu quarto deixando pelo caminho bolsa, sapatos, prêmio e, tirando sua roupa de festa, deitou-se sem nem mesmo tirar a maquilagem sonhando com aqueles momentos mágicos que vivenciou. Explicação? Para quê? O importante é que foi tão real que não importa a procedência de tudo. Simplesmente aconteceu!


5 comentários:

Anônimo disse...

Que lindo o texto Rose
Amei Parabéns
Bjus
Fe Vidal

Ariana disse...

Linda história!

bjos

Marina G. disse...

Que história maravilhosa Roseli!
Ah como eu queria um momento assim...

Beijos querida!

Lunna Guedes disse...

Não sei porque, mas lembrei daquele post que escrevi sobre os fingimentos. Nada como estar onde se deseja de fato estar... rs
Bacio

Neli disse...

Nada como o silencio da madrugada e a tranquilidade presente nela pra fazer a gente criar vergonha na cara e poder viajar nos textos alheios kkk. Hoje já dei uma passada no blog do Marcos. Esse eu já havia lido,só faltava comentar kkk. Olha, sinceramente, teem muito lugares mais agradáveis do que as de festas, confraternizações muito organizadinhas, muito engessadas. È, como festa de casamento em que eu vou estar no dia 31, um formato único, muito profissional, em que as pessoas perdem a naturalidade...sei lá! Acho que é isso que mata qualquer evento a formalidade kkk. Realmente um show, apesar de tb ser algo profissional, formatado, a mim me deixa a vontade, curto as luzes no palco, o dialogo dos instrumentos, é uma viagem que faço diversa.
bjs e mais um vez parabéns!