sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Roteiro incoerente

A escuridão ao mesmo tempo que me dá arrepios, serve ao meu intuito que é justamente passar desapercebida. Naquele local ermo com apenas alguns casebres abandonados, matagal a rodeá-los, ruas de terra batida, ouço vozes ao longe a me procurar.

- Eles não podem me achar. - é meu pensamento constante que me guia para cada vez mais longe. Apesar do enorme cansaço, dores nas pernas e nos pés já machucados de tanto pisar naqueles pedregulhos, minha vontade de sair dali serve de combustível para me mover.

- Como vim parar aqui? - é a pergunta que não tem respostas.

Só consigo me lembrar de, trabalhando na loja de roupas femininas, saí para buscar uma blusa na outra filial que era próximo dali. Depois...não consigo lembrar de mais nada. Minha mente está uma confusão só. E agora, aquelas malditas vozes gritando:

"Peguem ela! Não a deixem escapar! Se for necessário, atirem!"

- Droga! Onde fui me meter? Que lugar é esse afinal? Quero voltar para a loja. E a minha cliente? Vai acabar desistindo da compra e aí, a gerente vai me encher o saco por causa da comissão. Odeio isso tudo! Todo mês essa preocupação em atingir a meta de vendas, essa gerente mal amada que só nos aporrinha o tempo todo: "Tem de vender! Tem de vender! Não perca a venda!", as contas vencendo todo mês, o Kadú que não se resolve se vem ou não juntar seus trapos com os meus...Credo! Minha vida está uma merda! E agora mais essa, o que esses caras querem comigo? Por que a perseguição? O que fiz? Não consigo me lembrar o qu-

"Olha lá! Estou enxergando a infeliz! Lá na frente gente! Vamos! Corram todos para lá!"

- Droga! Me viram. - imediatamente corro para a escuridão total que dá para o matagal ao lado e me jogo numa vala para me esconder.

Naquela imensa e pesada escuridão, de imediato não entendo onde fui cair mas, pouco a pouco a desconfiança brota em meu ser e um começo de pânico germina. Mas tenho de ser forte pois se fizer qualquer movimento ou barulho, os homens me encontram e aí, não sei o que é pior.
Movimentos sinuosos perpassam meu corpo, a sensação de frieza e...Deus!!! Não pode ser!!!
Sinto uma série de deslizar por todo meu corpo e um bafo ofídico me paralisa.
A escuridão agora é duas vezes maior pois além da escuridão natural da noite, me recuso a abrir meus olhos e constatar a realidade que me cerca.

- Deus!! - Tenho verdadeiro pânico de cobras e me parece que caí justamente numa ninhada delas. O que mais pode me acontecer? O que pode ser ainda pior? Sinto-me congelar.

- Pense em números, estrelas, aniversário, música...qualquer coisa para abstrair dessa situação. - falo comigo mesma tentando me acalmar diante dessa situação tão inusitada.

Os homens passam bem próximos de onde estou mas por sorte não me vêem. Seguem para outro lado da mata. Para completar, agora chegam mais alguns homens acompanhados de cães. Tô bem arranjada! Lembro-me de uma lição de meditação das aulas de ioga onde aprendi a controlar a respiração até ela ficar praticamente inexistente. Com esse exercício, minha temperatura baixa ainda mais e observo que as cobras se acalmam também. Conto em pensamento 1, 2, 3 e...Zás!! Num segundo me vejo pulando com tudo da vala e retorno para a estrada correndo na direção contrária ao homens.

Corro sem saber para onde, de olhos fechados, mentalizo que sou um atleta maratonista, depois me imagino uma ave de rapina subindo, subindo, subindoooOOOHHH! estou Voando? Mas como não sou ave, não tenho asas, o que está acontecendo agora?

Que sensação maravilhosa de liberdade! Então voar é isso? Quero me transformar de vez num pássaro. Chega de preocupações mundanas, chega de decepções humanas, quero apenas desfrutar desse imenso céu. Youpppp!!!

Plaft! - Lá está um corpo estendido no chão. Imóvel, estanque, inerte.

- Céus! Santo infortúnio Batman! A pobre se espatifou. Que morte mais triste!

- É Robin, a vida não é bela mesmo. Que pena, tão jovem ainda. Vá até o bate-móvel e chame uma ambulância para levar o corpo...ou o que restou dele.

- Certo Batman.

- Ei! Vocês são doidos ou o quê? vestidos dessa forma? E eu não estou morta não. Só um pouco zonza. - Falo mas eles não me ouvem...

TRRIIIMMM!!!!!!!!!!!!!

- Uahh! Seis da manhã. Já? Parece que acabei de deitar e fechar meus olhos. Humm, tudo um sonho. Aliás, que sonho! É, mas vamos levantando que o dia tá só começando.

PS: Descrevi aqui de uma forma "pretensa literária" um sonho que tive quando adolescente e que nunca esqueci.

9 comentários:

a bittersweet girl disse...

Gostei do post...ficou muito bom!!! Parabéns

Lunna Guedes disse...

Engraçado, desde pequena que eu sonho que estou voando e a sensação é sempre de primeira vez. gosto disso. rs
Mas confesso que não gosto de acordar logo depois de um sonho, fico meio estranha o dia inteiro. rs
Bacio

Georgia disse...

Ahahahha, acho que vc andou vendo Batman e Robin demais;)

Mas olha, eu tenho um sonho que tb nao esqueco. Um onde eu tinha que andar num tapete de ovos e nao poderia quebrar nenhum.

Uma verdadeira tortura...


Bjao

Iram M. disse...

É MINHA AMIGA, MAS PELO QUE JÁ LI NESTE BLOG, TUDO QUE VC NÃO VIVE, É NO MUNDO DA LUA.
CARINHA LINDA, A SUA.
ESTOU AMANDO O SEU CANTINHO.

IRAM

Sonhos & melodias disse...

Bittersweet Girl! Obrigada pela visita e comentário. Gosto muito do seu blog também. estou sempre por lá.
Bjs

Sonhos & melodias disse...

É Lunna,
Esses sonhos mexem com a gente não?
Obrigada pela visita querida.
Bjs

Sonhos & melodias disse...

Oi Georgia,
É isso mesmo. Assisti muito Batman e Robin, rsrs. Andar num tapete de ovos! Olha, interessante isso viu?
Obrigada pela visita.
Bjs

Sonhos & melodias disse...

Oi Iram,
Obrigada pelo carinho. É, mas as vezes me refugio na Lua sim, é bom! Mas a realidade da vida sempre nos puxa de volta. fazer o que né? Obrigada pela visita. Volte sempre.
Bjs

Daniel Savio disse...

Hua, kkk, ha, ha, tem cara de pesadelo este post, mas os meus pesadelos também são criativos, sendo que enfrento zumbis, monstros e etc...

Fique com Deus, menina Roseli Pedroso.
Um abraço.