terça-feira, 5 de abril de 2011

Poesia - do começo ao fim


Houve uma época em minha vida em que o cinema esteve bem presente. No entanto, nos últimos anos, tenho ido cada vez menos ao cinema. Não que tenha deixado de gostar mas sim por ter aberto o leque de opções culturais e acabei indo mais para o lado da música e teatro. Tem também o fato dos filmes surgidos no mercado não me atrairem muito. Americano demais, blockbuster demais. No cinema, aprecio muito a linguagem, a arte mesmo e não apenas pancadaria e efeitos especiais. Pra mim cinema tem que ter atuação, expressividade, roteiro de qualidade. Imagem poética. E nesse domingo tive uma grata surpresa ao encontrar todos esses ingredientes num único fime: Poetry ou Poesia, do cineasta coreano Lee Chang-Dong. Trazendo como interprete principal a dama do cinema coreano Yoon Jeong-Hee que emocionou a platéia do começo ao fim da película. O filme foi vencedor de melhor roteiro do festival de Cannes 2010 e tem uma história simples e complexa como tudo na vida. Sinopse: Mija (Yoon Jeong-hee) é uma avó que já passou dos seus 60 anos e agora procura coisas com que se ocupar. Ela se matricula em um curso de poesia. Estuda aplicadamente, mas não consegue escrever. Quando seu professor diz que há muito a se versar sobre uma mera maçã, por exemplo, Mija passa minutos observando uma, antes de descascá-la meio desapontada com a inspiração que não vem. A realidade tratará de dar à senhora material para sentir... A avó descobre que o neto que ela sustenta abusou sexualmente, com outros amigos de escola, de uma menina que acaba de se suicidar. Mija precisa juntar dinheiro para calar a mãe - dizem os pais dos outros garotos - mas o que ela ganha cuidando de um velho sequelado por um derrame não é suficiente. E as más notícias estão só começando.
Saí do cinema de alma lavada pois há muito não me emocionava tanto com um filme. Ainda está em cartaz no Reserva Cultural, na av. Paulista. É minha dica de filme para quem como eu, curte a boa arte no cinema.

10 comentários:

Pedrita disse...

fiquei com muita vontade de ver esse filme. eu tb me divido em filmes e outras atrações. e os cinemas que passam filmes fora do circuitão são mais longe. tanto q quis muito ver aquele do liquidificador, mas só estava no espaço unibanco. perdi tb o da sofia coppola. eu vejo mais films mesmo na tv a cabo. beijos, pedrita

Menina no Sotão disse...

O último filme que eu assisti foi O discurso do Rei. Gostei, mas ainda prefiro os filmes mais adocicados como Colcha de Retalhos. Sei lá, os filmes atuais andam chatos, cansativos. Mas eu não tinha ouvido falar desse. Vou agendar. Valeu pela dica. bacio

Nanda disse...

Ei Roseli,

Não conhecia o filme, vou dar uma olhada depois, parece ótimo.

Ah que legal que está lendo a trilogia da Cain amo esta série :)

bjo

a bittersweet girl disse...

Amo Cinema e, mais ainda, cinema bem feito com boas atuações!!! Fiquei com muita vontade de assistir esse filme...obrigada pela dica!!! Beijo

Georgia disse...

Ah, eu tb sou rigorosa na escolha do que devo assistir. Obrigada pela dica, vou ficar atenta por aqui.

Tudo bem contigo?

Bjao

Sonhos & melodias disse...

Oi Pedrita,
Ando tão sumida dos cinemas. Nem em casa tenho assistido a filmes. Nossa! Mas foi bom demais!
Bjs

Sonhos & melodias disse...

Concordo Lunna. Os filmes andam chatos, previsíveis e,como disse, americanos demais! Adoro filmes europeus, asiáticos. Gosto de ter um olhar diferente da vida. Isso nos enriquece. Bom te ver por aqui.
Baccio per te.

Sonhos & melodias disse...

Oi Nanda!
Vá assistir se tiver oportunidade. Quanto a trilogia, estou adorando!!! Oh coisa boa!
Bjs

Sonhos & melodias disse...

Menina vá! Aproveite esse momento que vive e assista esse filme. Ele nos faz refletir sobre muitas coisas da vida.
Bjs

Sonhos & melodias disse...

Oi Georgia,
É sempre bom te ver por aqui. Quanto ao meu momento, nem sei te dizer se estou bem ou mal. Sinto-me num impasse. Mas sei que superarei.
Bjs