sábado, 16 de abril de 2011

Reserva Cultural - passe batido!

Quarta-feira fui a pré-estréia do documentário Rio Sonata no Reserva Cultural. Estava bem empolgada pois fazia um tempinho que não fazia um programa assim. Além do mais, estava interessada nesse documentário pois tinha lido e visto o trailer dele no cinema outro dia quando fui assistir Poesia. Combinei com minha amiga de se encontrar lá na cafeteria do Reserva Cultural, um espaço bem bacana. Chegando lá, como estava com muita fome pois tinha vindo da academia, decidimos jantar no restaurante que tem ao lado da cafeteria. Um espaço bonito, requintado e que parecia legal. Só parecia. Sentamos, aguardamos algum dos rapazes que ali trabalham e após uns minutos, finalmente um garçom nos atendeu. Fizemos o pedido e iniciamos um bate papo afinal, sempre que estamos juntas, assunto é o que não falta.
Papo vai, papo vem. Garçons passam com pratos aromatizantes pra lá e pra cá. Os minutos escoam e nada de nosso pedido chegar. Observei que casais que tinham chegado bem depois de nós já estavam jantando. Dois rapazes que estavam na mesa ao nosso lado também tinham feito seus pedidos ao mesmo tempo que nós e também já estavam comendo.
Comecei a ficar irritada afinal, estava com fome! Comentei com minha amiga sobre a demora e olhamos a hora. Já tinha se passado trinta minutos. Chamei um garçom. Nada. Chamei outro que passava, passou batido por nós. Levantei e barrei a passagem de um outro que também ia passar batido por nós. Não tendo escapatória, o rapaz perguntou se queríamos fazer nosso pedido. Prontamente respondi que estávamos aguardando o pedido que já tínhamos feito há meia hora atrás. Ele ficou de ver o que tinha acontecido. Mais dez minutos se passaram e quando ele apareceu, deixou na nossa mesa a conta. Não acreditamos naquilo. Abrimos e vimos que a conta cobrava somente o refrigerante que tínhamos pedido e nem tínhamos bebido pois estávamos aguardando a comida. Nãtural não é mesmo? Aí minha irritação subiu até Plutão e voltou. Chamei novamente o garçom e perguntei o que significava tudo aquilo. O rapaz com cara de idiota alienado respondeu que estava certo, estavam cobrando apenas as bebidas que pedimos. Minha amiga perguntou "E nosso pedido?" Não respondendo a contento nosso, chamei o gerente que veio saber o que acontecia. Explicamos novamente. Saiu para verificar e retornou logo em seguida se desculpando pois houve uma falha e nosso pedido havia se extraviado. Ok. E?...
E ficou por isso mesmo. Nós duas ficamos com cara de idiotas e ainda por cima famintas.
Se fosse em outro local, imediatamente fariam o possível para nos satisfazer. Até aguardaríamos se pedissem para esperar. No entanto, o gerente ainda cobrou a bebida que nem tínhamos tomado e ficou por isso mesmo. Não adiantou nossa indignação por isso pessoal, faço aqui minha campanha contra esse estabelecimento. Só compareçam se estiverem com muita vontade de passar nervoso e fome. Eu de minha parte não ponho meus pés mais lá. São Paulo tem tantas opções maravilhosas onde o cliente é respeitado, come bem e sai satisfeito. O buraco em meu estômago ainda ecoa e olha que não é de fome. É de indignação!




Nenhum comentário: