sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Meme Literário de um mês 2011 - Dia 14


Se pudesse fazer uma pergunta a seu escritor favorito, qual seria?

Difícil essa pergunta não? Afinal, não tenho apenas UM escritor favorito mas sim vários que gosto em estilos e gêneros diferentes. Por ser eclética também na leitura, fica complicado escolher apenas um. Mas, pensei muito e decidi o seguinte: faria uma reunião em minha casa, chamaria alguns escritores que admiro (Cristovão Tezza, Martha Medeiros, Inês Pedrosa, Noah Gordon, Dan Brown...) e durante uma rodada de wisky (é o que a maioria costuma beber), após todos estarem já mais descontraído perguntaria :
"Pessoas letradas, olhem para a lenta da verdade e me respondam: o que os impulsionam a escrever? Qual a força motriz que os levam a traduzir em palavras o que segue em suas almas?"
Veja bem: faria essa pergunta porque vivo me perguntando também o que me leva a continuar escrevendo aqui no blog, em vários textos que produzo e que ainda se encontram guardados. Sabe, poderia como a maioria dos mortais levar minha vida ocupando-a com outras coisas. No entanto, tenho essa "necessidade" absurda de expressar em palavras escritas e registradas o que passa por minha cabeça, traduzir o que vejo diariamente acontecer pelo mundo, expressar minhas alegrias, minhas frustrações, meus anseios e projetos para o futuro. E sempre me questiono: será que com os escritores já consagrados segue o mesmo? Ou eles têm outros motivos para escreverem? A pergunta está lançada.

Esse texto faz parte da blogagem coletiva promovida pelo blog Happy Batatinha

2 comentários:

Juliana disse...

Escrever para mim é também uma necessidade. É uma pausa para respirar, para colocar as palavras soltas da cabeça em ordem ou reverter a ordem das coisas.

Também estou no meme! Adorando passear pelos blogs, conhecendo pessoas, anotando dicas!

Abraços!

Juliana disse...

Ah, Roseli, compensa demais demais conhecer a Clarissa Pinkola Estés. Até complementei o post com alguns títulos de livros dela. Todos valem muito a pena!

Quanto ao amor, que bom que as minhas reflexões contribuíram para as suas! Temos tanto a aprender sempre sobre nossas emoções, não é verdade?

Abraços!