segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Condição: Mulher

Nascer mulher, ser mulher, estar mulher. Pensa que é fácil? Não mesmo. Mas como gosto de ter nascido, ser e estar mulher! Desde a mais tenra idade lembro-me de gostar de olhar minha figura no espelho ou em qualquer material que me refletisse. Vaidosa sempre fui e sempre gostei de cuidar de minha aparência. Isso jamais fez de mim uma criatura fútil muito menos vazia de conteúdo. Até mesmo porque, uma de minhas vaidades foi cuidar de meu interior através de meu crescimento intelectual, profissional e pessoal É óbvio que isso não faz de mim um ser perfeito. Aliás, ser perfeita seria um grande defeito! Não acham não? Seria bem chato. Por isso mantenho um lado meu desfigurado, escuro, feio mesmo justamente para me tornar mais humana. Sou teimosa, invocada, bocuda, crítica ao extremo. Rio a toa, choro a toa - e a cada ano que passa fico mais chorona - fico raivosa com injustiças. Sou da paz mas se pisar no meu calo não penso duas vezes pra cair na briga. E quando a questão é amor? Sou intensa. Não amo pela metade. Se não puder mergulhar por completo, nem me atrevo. E ao me apaixonar me incendeio e ilumino toda. Sou só risos e falas bobas que se intensificam pela madrugada. Faminta me torno e a todo momento quero saciar essa fome ao lado do amado. Beijando, sugando, lambendo feito loba sentindo seu cheiro adocicado após me amar. E depois? Ah...depois é só ficar largada ao seu lado, ou em baixo, ou ainda em cima de seu corpo também satisfeito e suado aproveitando esses momentos silenciosos onde somente nossa respiração se faz ouvir. E é nessas horas que me sinto mulher pra valer. No verdadeiro sentido da palavra. E agradeço a Deus ou a qualquer força superior que me fez nascer nessa condição.
Por isso tudo, não me venha falar que hoje estou envelhecida, perdi minhas formas, trago no rosto verdadeiros traçados erosivos em forma de rugas. Porque te responderei com toda segurança que aquela mulher linda, jovial, cheia de vida que conheceu há tantos anos atrás ainda continua aqui viva e cheia de amor pra dar. Aquela menina risonha e sonhadora também permanece aqui e sempre que a vida permite, reaparece para trazer um pouco de alegria nos dias tenebrosos e sofridos. Pois ao contrário de você, homem forte, vigoroso e decidido mas que ao primeiro sinal de problemas se encolhe e deixa-se levar pelo mau humor, eu me reinvento a cada momento e traço meus dias através da alegria, da esperança e do amor. E mais uma vez, não abro mão de minha condição de ser mulher.

PS: Esse texto nasceu após reavivar na minha memória a lembrança do quanto gostava e curti a cantora britânica Lisa Stansfield entre meados da década de 80 e 90. E ao relembrar suas canções decidi vasculhar no Youtube seus vídeos. E qual não foi minha surpresa ao reencontrar tantas canções maravilhosas na sua voz divina. Mas quando vi e ouvi essa canção All Woman, ela me pegou de tal maneira que acabei escrevendo esse texto. Afinal, na letra dessa música ela expõe a natureza de toda mulher e não tem como a gente não se identificar. Aproveito pra deixar aqui minha súplica: Lisa! Por onde anda mulher?! Volta pros palcos que ali é seu lugar. Volta a gravar pois com sua voz maravilhosa. Alguém sabe me informar de seu paradeiro?

Um comentário:

Georgia disse...

Querida amiga, qual é a mulher que nao é vaidosa? E nós temos que sê-lo, até mesmo pela condicao de sermos mulher.

Já em ser tao critica a vida tem me ensinado que muitas das vezes a melhor critica é o silencio...

Rir e chorar é tao bem quando é de alegria, rs.

Acho que vc precisa sair mais, viajar mais, muita leitura, muito conteúdo estao presos ai no teu peito, mas precisa conhecer mais o real lá fora...


Bjao