quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Por enquanto não me conquistou

Segunda-feira, logo ao chegar ao serviço, vi na minha mesa a revista Veja dessa semana. Peguei para dar uma lida e fui até a reportagem de capa que é sobre o livro Cinquenta tons de cinza, da autora E. L. James. Como já estou quase no final do livro e já tracei minhas impressões, quis saber o que as mulheres andam achando desse livro. Não sou puritana mas também não sou pervertida. Encaro o sexo como algo natural mas confesso que tem certas coisas que me incomodaram bastante nesse livro. Por exemplo: a postura da mocinha me soou um tanto inverossívil. Pôxa! Parem para pensar, uma jovem recém saída da universidade,antenada com o mundo ao seu redor, inteligente e...topeira?! Parece uma anta (que o animal me perdoe a comparação) no quesito sexo. Está certo que ainda existam virgens mas acredito que a grande maioria tem acesso a informações e até uma curiosidade natural em saber sobre o assunto. Então, para mim, essa personagem não me convenceu. Christian Grey, o "mocinho" da história também não me convenceu. Seu lá...talvez por jamais ter topado com um espécie desses me cause uma certa dificuldade em assimilar sua personalidade. Até sei que pode existir homens assim mas, de qualquer maneira, enquanto personagem literário, não me convenceu. A narrativa da autora até que nos prende a atenção só que, a cada término de capítulo, fico sempre com a sensação de que perdi ou que não captei algo. Talvez isso se deva ao fato de ler muito e minhas leituras serem bem diversificadas . Isso me torna uma leitora mais exigente. Todo esse auê em torno do livro acaba por me passar a sensação de propaganda enganosa afinal, se a temática que tanto propagam é a sexual, já li livros bem mais calientes e que me envolveram muito mais. Há uns anos atrás, li um livro que, confesso, me pegou pra caramba nesse quesito - Amorquia, de André Carneiro. Na epoca, a visão que o livro me passou do sexo naquela sociedade, me chocou um pouco. No entanto, anos mais tarde ao reler o livro, encarei de forma diferente e gostei demais do livro. Outro que também li e gostei bastante foi Aritmética, de Fernanda Young.Talvez até por não ter essa visão meio que "Sabrina" que o livro de E. L. James me passa e sim, uma visão mais dura e realista do ato. Enfim, não vou deixar de sugerir a leitura do livro do momento por eu pessoalmente não ter me encantado com ele. Tenho comigo que todo livro tem seu leitor portanto, quem estiver a fim de ler Cinquenta tons de cinza, sinta-se a vontade. Adentre o mundo encantado do sexo com Anastasia mas tenha consciência de que não vai fechar o livro e topar logo de cara com um Christian Grey cruzando seu caminho. A vida real dificilmente te ofertará esse brinde, rsrs. Desculpem! Não resisti a essa piadinha infâme no final!

2 comentários:

Neli SILVA TEIXEIRA disse...

Liberado o blogger hoje por aqui no trabalho. Olha eu fico pensando como é que tudo isso começou? A primeira vez que ouvi falar desse livro foi pela Selma no grupo, essa semana, justamente por conta da matéria da revista veja, e no grupo a Mariana já demonstrou que o livro não é tudo isso. E, sinceramente, não fiquei com vontade de ler, por sacar que o marketing pra vender o livro tá maior que a própria história. Sempre que me deparo com um marketing avassalador deixo a poeira assentar e ai depois penso o que fazer kkk, se vale perder o meu tempo.
bjs
Neli

Luciano A.Santos disse...

Roseli, li o livro por pura curiosidade e tenho que confessar que não gostei não, nem entendi a razão de tanto barulho em torno dele. E assim como você também duvidei de Anastasia e Grey, são personagens mal construídos, que não convencem. Acho que não vou ler a continuação não.