segunda-feira, 1 de outubro de 2012

A morte espreita

Venha conferir meu novo texto no Coletivo Claraboia!


 O caçador
Juvêncio. Esse era seu nome. Rapaz de 29 anos, tez negra, estatura mediana. Vestia-se de forma um tanto recatada para um jovem de sua idade. Resquício da educação rígida que seus avós lhe deram. Natural de Santana dos Garotes, esse paraibano desde muito cedo aprendeu a obedecer a tudo e a todos sem jamais esboçar sua opinião sobre nada. Fala pouco e baixo. Olhar sempre mirando o solo, frequentador assíduo da igreja evangélica Pentecostal Cuspe de Cristo, Juvêncio é a própria imagem da ovelha seguidora do Senhor. Segundo se comenta na empresa onde trabalha, ele nunca conheceu uma mulher. Nem mesmo um simples beijo deu. Trabalhando como cobrador há três meses, é motivo de chacota entre os demais cobradores e motoristas.
Seu cotidiano espartano não permite que tenha uma vida social como de tantos jovens de sua idade. Nunca foi a um baile, jamais entrou num cinema ou teatro. Show musical então, nem pensar. Ficar ao lado daquelas pessoas suadas, movendo seus corpos de forma provocativa…Deus do Céu! Isso é coisa do Satanás! Que, aliás, nem sequer pronuncia para não cair em pecado. Morando agora num cômodo minúsculo nos fundos da casa de seus tios, Juvêncio é a imagem viva de um ser purificado pela labuta e religiosidade.
…Mas não é bem assim…
Leia na íntegra

Nenhum comentário: