domingo, 28 de outubro de 2012

Meme Literário de Um Mês 2012 - Dia 28

Dia 28 - 5 livros que estão na tua pilha de “vou ler”. (Pergunta feita no Meme de 2010. Se você participou na época, procure comparar as respostas.)


São sempre muitos pois sou uma verdadeira "antena" captando o tempo todo, leituras novas. Mas vamos lá citar alguns dos livros que tenho aqui para ler:

O Espírito da Prosa: uma autobiografia literária, de Cristovão Tezza. Desde que li O Filho Eterno que virei fã desse autor. Esse livro chegou a poica à biblioteca e já separei ele para ler. Até cheguei a começar sua leitura mas tive de interromper pois precisava terminar a leitura de um outro que era emprestado.

Sinopse: Nesta sensível autobiografia literária, Cristovão Tezza desenha um magistral panorama de sua geração, tentando localizar nos ideários dos anos  1960 e 1970 as suas raízes ficcionais. E faz uma corajosa investigação pessoal das variáveis objetivas e subjetivas que entraram em jogo na produção da sua literatura, sempre em busca deste inevitável e enigmático questionamento: o que leva alguém a escrever?

O Silêncio dos Amantes, de Lya Luft. Sempre ensaiei pegar livros dessa autora mas acabo deixando para mais tarde. Não sei porque. Mas tenho uma simpatia por ela e como ganhei esse livro, deixei-o na lista das futuras leituras. São contos e como no momento ando inspirada para escrever esse gêneroliterário, tenho me voltado mais para leitura deles.

Sinopse: Nesse livro, Lya Luft retorna à ficção e mais uma vez nos surpreende com histórias ligadas por alguns de seus temas prediletos desde os primeiros livros: a incomunicabilidade e o silêncio entre pessoas que se amam ou deviam se amar, os conflitos familiares, a busca de um sentido da vida, rancores, incompreensão, mas também magia e amor nos relacionamentos.

Um Ano na Provence, de Peter Mayle. Desde que comecei a trabalhar na biblioteca vejo esse livro e os demais do autor e sempre tive curiosidade em ler. Aborda temas que me encantam. Na epoca estavam muito disputados entre os usuários. Decidi esperar e acabei por esquecer. No ano passado ganhei um exemplar e decidi que quero ler. Mas como sempre me atropelo com chegada de livros novos, esse vai ficando na fila. Mas um dia eu leio. Ah, se leio!

Sinopse: 
O inverno na Provence pode ser terrível por causa do Mistral, um vento forte que obriga todos a se trancarem em suas casas. O verão é assolado por hordas de turistas ruidosos. Entre um extremo e outro corre uma vida tranquila, levada por um povo que sabe a arte do bem viver, sem pressa,  apreciando beber o marc e o pastis e comer petiscos que vão de salsichas, patês, quijos e pães, refeições substanciosas com até cincopratos diferentes e vinho, muito vinho e azeite para acompanhar. O relato do ano em que o inglês Peter Mayle resolveu abandonar a Inglaterra em troca da vida na Provence, temelementos como esses descritos acima. Mas tem muito mais. Livro que transita entre o banal em literário, reportagem em poesia, ele é sobretudo uma obra que se degusta com o meso prazer que se pode ter ao comer cada uma das especialidades que descreve minuciosamente. Uma obra para se ler com água na boca e nos olhos, ao rir do fino senso de humor que permeia tudo.

Participei recentemente de uma troca de livros entre blogueiras promovida pela Lu Guedes do blogue Menina no Sotão.
Optei pelo livro que a Leticia Alves, do blogue Eu e Minhas Tempestades ofereceu para troca: A Escrita ou a Vida, de Jorge Semprun. 

Sinopse: 
Em 1943, Jorge Semprun era um jovem espanhol exilado em Paris, brilhante estudante de filosofia e militante comunista, quando foi preso pela Gestapo e deportado para o campo de concentração de Buchenwald. Durante dois anos, sobreviveu como pôde às condições sub-humanas impostas aos prisioneiros do nazismo: a fome, permanente, os trabalhos forçados, a privação de sono, o frio brutal, as humilhações e os espancamentos infligidos pelos guardas SS. Mais od que a lembrança de uma experiência dos campos da morte, é um livro sobre o turbilhão da memória e uma reflexão muito pessoal sobre o drama coletivo que foi o genocídio nazista, a tragédia maior do século XX.

A Trama da Estrela, de Vasco Ricardo. Conheci esse autor através da coletânea que participei, Corda Bamba e de lá pra cá, sempre mantemos contato pelo Face. Recentemente lançou esse livro e tem feito muito sucesso em Portugal, França e outras paragens onde as pessoas têm lido e apreciado sua história. Fiquei curiosa com a temática e comprei o livro que recebi há pouco tempo. Em breve espero ler e depois dou minha opinião por aqui. 

Sinopse: Enquanto uma negra conspiração se vai expandindo por algumas cidades europeias, três adolescentes divertem-se, navegando pela Internet, tentando decifrar mistéris e crimes até então irresolúveis. Dana, Mark e Rohan são provenientes de nações distintas mas os seus interesses e suas motivações convergem. À medida que uma onda de violência vai assolando o território do velho continente, os jovens vão interagindo através das comuns salas de chat, falando sobre um infindável número de temas. O percurso das suas vidas toma, porém, um rumo diferente, acompanhado de estranhos acontecimentos que podem mudar os seus destinos. Paralelamente, uma sociedade secreta, cujos elementos revelam ser tão competentes quanto obstinados, move-se de forma obscura e sanguinaria, onde todos os seus passos parecem ser criteriosamente preparados na tentativa de alcançar um marco até então inatingível.

Esse texto faz parte da blogagem coletiva promovida pela Tabata, do blogue Happy Batatinha

Um comentário:

Alê Lemos disse...

Sempre que encaro esse livro da Lya Luft me pergunto sobre o que é. Talvez ela entre para minha lista tb, assim como o outro sobre Povence.