sábado, 28 de dezembro de 2013

Quando por entre estantes e livros se descobre um mundo

Reta final de 2013 e terminei de ler um livro que não figurava na minha lista de futuras leituras mas que me chamou a atenção na livraria Cultura. Primeiro por sua bela capa onde mostra uma jovem entre estantes e inúmeros livros. Segundo pelo título que tem a ver comigo. E terceiro, pela temática da história que me instigou a curiosidade.
Quem me conhece sabe que leio de quase tudo nessa minha vida. Com raríssimas exceções(autoajuda por exemplo), procuro não ter preconceitos. Acho toda leitura válida e de tudo busco algo de positivo.
Sei que algumas pessoas vão torcer o nariz para o livro que li. Paciência. Acredito nos diversos estágios de leitura e muitas vezes necessito de algo mais leve, pura diversão mesmo do que me aprofundar numa literatura mais "cabeça".
Vamos direto ao livro: A Bibliotecária, de Logan Belle. Depois que comprei, li várias resenhas sobre o livro e vi que a maioria comparava esse livro ao 50 tons de cinza, de E. L. James.
Não concordo e explico. 50 tons até tinha tudo para ser uma boa história mas seus personagens são rasos, sem carisma algum. Principalmente aquela jovem recém formada em jornalismo que é a "Anta" em forma de gente. O gostosão nada mais era do que um robô do sexo. Belo, belo, belo e?... Não me cativou em nada!
Pelo menos nessa história, existe um pouco de consistência tanto nos personagens centrais - no caso, a bibliotecária Regina Finch e no seu partner Sebastian Barnes. Fora a bela Biblioteca Pública de Nova York que serve de painel de toda a trama vivida pelos dois. Descrição que me deu vontade de conhecer suas dependências e percorrer seus corredores. Ah! Fora o fato de colocar nós bibliotecárias como pessoas normais, saudáveis e com a sexualidade em dia e bem resolvida e não somente mulheres secas, áridas, sem graça e sem vida sexual como muito pensam e retratam a profissional. Gostei disso e não vejo em absoluto mal algum em a autora retratar a bibliotecária com vontades, tesões e desejos. Mas, é claro que a narrativa não é perfeita. Também não esperava isso então, terminei de ler o livro e não me senti decepcionada. É um bom livro para se ler despretensiosamente, curtir um pouco as cenas de sexo Bondage que diga-se de passagem, não escandaliza (talvez as mais puritanas, sei lá) e se divertir com uma boa história.
Agora, uma reclamação tenho a fazer e é com as editoras: nos últimos livros que tenho lido, tenho encontrado muitos erros de revisão. Não se empregam mais esse profissional nas editoras? O que acontece? Nesse livro mesmo encontrei por diversas vezes erros horríveis de revisão. Record, fique atenta a isso! Respeito aos escritores e aos leitores por favor!
Ah! em tempo: ainda me deliciei pois conheci um pouco mais sobre a Pin-Up Bettie Page que até então tinha somente alguma informação bem escassa sobre ela, sua importância e beleza. Valeu!!

Sinopse:
A jovem Regina Finch acaba de chegar a Manhattan para trabalhar na Biblioteca Pública de Nova York. Mas o que parecia ser a promessa de uma rotina tranquila em meio a clássicos da literatura logo se revela um irresistível jogo de sedução quando ela conhece o envolvente Sebastian Barnes, investidor da instituição e um dos homens mais cobiçados da cidade, que fica obcecado pela beleza da bibliotecária. A até então ingênua Regina se entrega a um crescente e selvagem desejo que parece consumi-la mais a cada dia, uma paixão que despertará na jovem sensações jamais imaginadas.
Ah! Em tempo 2: a editora Record classifica esse livro como ChickLit. Informação errada! É literatura erótica e adulta viu gente! Atenção 2 dona Record!

3 comentários:

Aline Viana disse...

Fiquei curiosa para conferir esse livro. E achei interessante sua reclamação sobre as bibliotecárias serem comumente retratadas como senhoras assexuadas ou indesejáveis - as bibliotecárias junto com as enfermeiras são tipos recorrentes no imaginário erótico atual.
Enfim, gostei da dica de leitura ;)
Bjs

Pedrita disse...

não conhecia esse livro. tb me interessaria pelo título. beijos, pedrita

Elvira disse...

Oi Roseli.
Também fiquei super curiosa em relação a esse livro.
Ainda não li mas está na minha lista.
Beijos e um feliz 2014.
Elvira