quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

(Imagem extraída do Google Earth)

Janeiro chega meio devagar com gostinho de férias e junto algumas datas importantes.
Para nós, paulistanos, dia 25 é dia de muitas comemorações e agitos culturais.
São Paulo aniversaria nessa data e é sempre bom relembrarmos e a programação cultural já se encontra a mil. Veja mais
Faço aqui minha homenagem simples a essa que é minha cidade onde nasci e que pra mim é a melhor do mundo (mesmo que existam outras tantas melhores). Por ser essa enorme "colcha de retalhos" formada por inúmeras culturas que aqui aportaram, essa metrópole que não para nunca, me lembra a famosa tela de Leonardo da Vinci, Monalisa. Já explico: apesar de feia, é de um charme que acaba por encantar a todos que por ela passa. A riqueza cultural dessa cidade coloca-a entre as maiores do mundo em questão de diversidade e riqueza. Há tudo para todos os gostos. São Paulo foi e continua sendo palco para muitas manifestações culturais entre tantas cito algumas como por exemplo a homenagem que o escritor Mario de Andrade fez em seu livro Paulicéia Desvairada, de 1922, segue abaixo um dos poemas desse livro:
O cortejo


Monotonias das minhas retinas...
Serpentinas de entes frementes a se desenrolar...
Todos os sempres das minhas visões!

"Bom giorno, caro."Horríveis as cidades!
Vaidades e mais vaidades...
Nada de asas! Nada de poesia! Nada de alegria!
Oh! Os tumultuários das ausências!
Paulicéia - a grande boca de mil dentes;
e os jorros dentre a língua trissulca
de pus e de mais pus de distinção...
Giram homens fracos, baixos, magros...

Serpentinas de entes frementes a se desenrolar...

Estes homens de São Paulo,
Todos iguais e desiguais,
Quando vivem dentro dos meus olhos tão ricos,
Parecem-me uns macacos, uns macacos.


Outra muito boa:


Garoa do Meu São Paulo

Garoa do meu São Paulo,
-Timbre triste de martírios-
Um negro vem vindo, é branco!
Só bem perto fica negro,
Passa e torna a ficar branco.

Meu São Paulo da garoa,
-Londres das neblinas finas-
Um pobre vem vindo, é rico!
Só bem perto fica pobre,
Passa e torna a ficar rico.

Garoa do meu São Paulo,
-Costureira de malditos-
Vem um rico, vem um branco,
São sempre brancos e ricos...

Garoa, sai dos meus olhos.


Outro escritor que retratou a sua maneira essa cidade foi Juó Bananere.


O STUDENTI DU BÓ RETIRO
POISIA PATRIOTICA



ANTIGAMENTE a scuola era rizogna e franga;
Du veglio professora a brutta barba branga,
Apparecia un cavagnac da relia,Che pugna rispetto inzima a saparia.
O maestro éra um veglio bunitigno,I a scuóla era no Bellezigno,
Di tarde inveiz, quano cavaba a scuola,Marcáno o passo i abaténo a sola,
Tutto pissoalo iva saino in ligna,
Uguali como un bando di pombigna.
Ma assi chi a genti pigliava o portó,Incominciava a insgugliambaçó;
Tuttos pissoalo intó adisparava,
I iva mexeno c'oa genti chi passava.
* * *
Oggi inveiz stá tutto mudado!O maestro é um uomo indisgraziado,

Che o pissoalo stá molto chétamenteE illo giá quére dá na gente.
E illo giá quére dá na gente.
Inveiz u ndí intrô na scuóla un rapazigno
Co typio uguali d'un intalianigno,O perfilo inergico i o visagio bello.
Come a virgia du pittore Rafaello.Stava vistido di lutto acarregado,
Du páio che murreu inforgado.
O maestro xamô elli un dia,I priguntô:
- Vuc sabe giograffia?- Come nó!? Se molto bê si signore,
-Quale é o maiore distritto di Zan Baolo?
-O maiore distritto di Zan Baolo,O maise bello e ch'io maise dimiro
É o Bó Ritiro!
O maestro furioso di indignaçó,Batte con nergia u pé nu chó,
I gritta tutto virmeligno:
-O migliore distritto é o Billezigno.
Ma u aguia do piqueno inveiz,
C'oa brutta carma dissa otraveis:
-O distritto che io maise dimiro,
É o Bó Ritiro!
O maestro, viremglio di indignaçó,
Alivantô da mesa come un furacó,
I pigano un mappa du Braz
Disse: Mostre o Bó Ritiro aqui si fô capaiz!
Alóra o piqueno tambê si alevantô
I baténo a mon inzima o goraçó,
Disse: - O BÓ RITIRO STÁ AQUI!

Outra muito boa:

SODADES DE ZAN PAOLO

TEGNO sodades dista Paulicéa,dista cidade chi tanto dimiro!
Tegno sodades distu çéu azur,Das bellas figlia lá du Bó Ritiro.
Tegno sodades dus tempo perdido

Sopano xoppi uguali d'un vampiro;
Tegno sodades dus begigno ardenti
Das bellas figlia lá du Bó Ritiro.
Tegnho sodades lá da Pontigrandi,

Dove di notte si vá dá un giro
I dove vó spiá come n'un speglio
As bellas figlia lá du Bó Ritiro.
Andove tê tantas piquena xique,

Chi a genti sê querê dá un sospiro,
Quano perto per caso a genti passa,
Das bellas figlia lá du Bó Ritiro.
Tegno sodades, ai de ti - Zan Baolo!

Terra chi eu vivo sempre n'un martiro,
Vagabundeano come un begiaflore,
Atraiz das figlia lá du Bó Ritiro.

3 comentários:

A Palavra Mágica disse...

Olá Roseli,

Sou guarulhense, atualmente trabalho em Guarulhos, mas não nego a beleza se São Paulo-Capital. "São Paulo, meu amor".
Nesse mês de aniversário temos que lembrar alguns símbolos dessa cidade, como o Premeditando o Breque (Premê), Rita Lee, o inesquecível Adoniran Barbosa...
Ainda tem os visitantes que se apaixonam: Qual o verdadeiro paulistano que não conhece a música Sampa?

Beijos!
Alcides

Jackie disse...

Oi,Rosii. Olha só eu vim avisar que eu deixei um "prêmio" pra você no meu blog (http://nonoandno.blogspot.com/2009/01/no-suporto-calor-e-no-que-ganhei-um.html).Foi uma forma de eu mostrar que eu realmente curto seu blog e o quão ele é legal ^^
O nome do prêmio é "6 coisas,6 links". Nele vc indica outros 6 blogs e fala 6 coisas aleatórias sobre você ;)
Beijos

Jackie disse...

E agora um comentário decente: Eu AMO SP! É a capital mundial da gastronomia, das tribos, das diversidades, da tecnologia, da 25 de Março, dos Brás, da economia. Eu AMO São Paulo! E adoro a música dos Demônios da Garoa: "Trem das Onze" ^^

Beijão
Ps:Ah!E como disse uma vez Washington Olivetto: "SP ganha disparado, afinal é a unica cidade no mundo que tem tudo e fico só a 45 minutos do Rio" Hahahahahah