segunda-feira, 12 de abril de 2010

Penso, reflito e não chego a lugar nenhum. Mas é um início

Vez por outra me pego filosofando e passo a refletir sobre a humanidade, suas crises, seus temores, e, me abate uma melanclia mediante o que presencio. Não sou fatalista, muito menos pessimista. Acho até que mais de uma vez escrevi sobre isso por aqui. No entanto, se analisarmos friamente a situação que o planeta passa, com tantas guerras, conflitos, armações políticas, corrupções e agora, para completar essa feijoada de mal gosto, um novo ingrediente vem "salgar" ainda mais esse prato tão indigesto: as catástrofes climáticas. Não bastasse já tantas desgraças que o povo tem que digerir, agora temos de nos preocupar com mais esse problema. Temos nossa parcela de culpa nisso tudo? Não tenha dúvida: temos e muita. Está certo que o planeta Terra já vem passando por mudanças há muito tempo e que seria natural essas "acomodações" do solo, tais variações climáticas como já ocorreu no passado na era dos Dinossauros. No entanto, o excesso da população nas grandes metrópolis, a produção descomunal de lixo produzido por essas mesmas megacidades, a falta de infraestrutura das mesmas, o consumo desenfreado que continua alimentado pelas mídias, provoca uma aceleração maior na degradação das cidades e, consequentemente, da sociedade que nela habita. O Brasil é um país jovem, com uma população também jovem em vários sentidos da palavra. Jovem por não ter experiência com tais situações como os países europeus e asiáticos; jovem por ainda não ter um total domínio e conhecimento de seus direitos mas, principalmente de seus deveres de cidadão; jovem por não ter uma educação e uma formação adequada que o prepare para assumir responsabilidades e manter as rédeas de sua própria vida em suas mãos e não nas mãos de políticos corruptos e sem moral que só visam interesses próprios e por aí vai...
Sinto-me condoída com toda a situação da população que tem passado por tantas agruras, decepções e perdas materiais e pessoais diante dessas catástrofes que tem acontecido no Rio e em outras partes do país. No entanto, fica-me a sensação de que podíamos ter feito algo para evitar tudo isso. Quando digo nós, me incluo também pois tenho plena consciência de que também deixo a desejar no que diz respeito aos meus deveres de cidadã. E é nessas horas que vejo o quanto ainda temos que trilhar para alcançarmos o patamar de uma nação evoluída e desenvolvida em todos os sentidos onde a ética seja a bússola para que todos os setores façam sua parte. Somente de uma coisa tenho certeza: a sociedade precisa urgentemente repensar sua forma de viver. Mudar seus conceitos, sua conduta, seus padrões. Será que viverei para ver isso um dia?

2 comentários:

Celso Ramos disse...

Olá !!
Passei para agradecer o comentário qe deixou a respeito da resenha que escrevi. Quanto ao seu texto escrevi recentemente um texto (LUTO) que fala também sobre essas preocupações...e o que agente pode fazer, ou oque está ao nosso alcance é não votar naqueles que já provaram que só estão afim de legislar em causa própria. Eu sei que isso também é difícil pois a política hoje já se distanciou em muito das atitudes éticas..mas devemos ter esperança!!! quando pintar um tempo visite o blog..será muito bem vinda!!!

Sonhos & melodias disse...

Valeu Celso! Tem toda razão. Precisamos boicotar esses péssimos políticos e mostrar a eles que não somos mais idiotas. Está certo que não vai ser de uma hora para outra que mudaremos esse cenário mas, se não começarmos agora, não acontecerá nunca. Passarei sempre por lá para ver as novidades. Obrigada pela visita e volte sempre.