segunda-feira, 26 de julho de 2010

Cordilheira: uma viagem diferente a uma Buenos Aires não turística


Sempre digo que as coisas não são meras coincidências e que nada acontece ao acaso. E isso também se reflete nos livros que leio. Acredito que já expressei por aqui o que penso sobre os livros. Se não falei falo agora: Acredito piamente que não sou eu que escolhe o livro para ler mas sim, os livros é que me escolhem. E foi o que aconteceu com mais esse livro que terminei de ler.
Antes de sair em férias, já estava com meus livros escolhidos separados para levar para casa. Separei os seguintes títulos: Lis no peito: um livro que pede perdão, de Jorge Miguel Marinho, A elegância do ouriço, de Muriel Barbery, Os 13 porquês, de Jay Asher e a série Um mistério de Sally Lockhart, de Philip Pullman (dois livros). Para curtir os 30 dias de férias estava de bom tamanho não é mesmo? No entanto, no último dia antes de sair de férias, um funcionário veio devolver um livro qu tinha lido e, como sempre trocamos figurinhas sobre os livros lidos, ele me perguntou se já tinha lido aquele. Ao ver qual livro era, respondi em negativo. O funcionário me olhou nos olhos e disse:
- Roseli, gostando de ler como você gosta, não pode deixar de ler essa história. Você vai adorar. Leve para as férias.
Na hora me empolguei afinal, sou fominha com relação a livros, juntei à minha lista de livros e levei-os para casa e nem dei tanta atenção a ele. Ao retornar de minha viagem a Buenos Aires, estava eu deitada em minha cama quando olhei a pilha de livros e, ao invés de terminar de ler o livro A mulher do viajante no tempo que já estou enrolando faz tempo, meus olhos caíram direto no título Cordilheira, de Daniel Galera. Exatamente o livro que aquele funcionário havia me sugerido ler. Dei uma lida na sinopse, nada de mais. Li a orelha do livro, também nada de mais.
Mas algo me chamava para sua leitura e assim, me deixei seduzir e iniciei sua leitura.
Li esse livro em dois dias e teria lido em menos tempo se não tivesse visitas em casa e outros afazeres a cumprir. Não preciso nem dizer que fiquei em cólicas pois queria muito retomar a leitura do livro e ver seu final mas sempre tinha algo que me impedia de ler.

Sinopse:
Recém saída de um relacionamento amoroso e ainda sob o impacto do suicídio de uma amiga, uma escritora resolve aproveitar o lançamento da tradução argentina de seu romance, considerado por público e crítica uma das melhores surpresas da nova literatura brasileira, para passar uma temporada em Buenos Aires.
A trama de Cordilheira gira em torno de um recomeço: ao se envolver com um misterioso fã argentino e conviver com seus amigos de hábitos bizarros, Anita começa a deixar o passado para trás e a se tornar algo que ainda não sabe bem o que é. É também uma reflexão um pouco irônica sobre vida e arte, seus limites nem sempre definidos e a maneira como essa sobreposição, em meio aos sonhos e impasses de quem cedo ou tarde precisará enfrentar a realidade, pode acabar mudando os destinos individuais.

É interessante pois através da trama de Cordilheira, retornei a Buenos Aires e percorri junto a Anita e demais personagens as ruas dos bairros de Palermo, Recoleta, San Telmo e o microcentro de Buenos Aires onde fiquei hospedada e no qual caminhei bastante por suas ruelas estreitas e movimentadas. Num ritmo as vezes ágil, as vezes lento conforme o estado de espírito da personagem Anita, o livro vai se revelando algo maior do que se imagina a princípio. É um esboço de uma geração de pessoas perdidas de si mesmos e que buscam de alguma maneira, uma razão para continuarem a viver. Ou não.

4 comentários:

Pedrita disse...

eu tenho critérios e livros na fila, mas nem sempre sigo a ordem subjetiva. vai de momento tb. beijos, pedrita

Mírian Mondon disse...

Achei muito interessante e bem escrita essa postagem!
Sabe que quando voltei dos USA havia parado a leitura de um livro apaixonante que estava lendo. Dando continuidade uma vez aqui, percebi que o capitulo que estava iniciando era exatamente o retorno dos personagens principais à sua terra, descrevendo todas as emoções do retorno. Achei muiiiito interessante!

beijos e boa semana!

Sonhos & melodias disse...

É Pedrita e como é bom quando nos deparamos com essas escolhas que saem do nosso planejamento e nos deliciamos com a leitura!
Bjs

Sonhos & melodias disse...

Oi Mírian,
Não é bom mesmo? A leitura sempre nos surpreendendo e nos acrescentando. Amei sua visita.
Bjs