sexta-feira, 1 de junho de 2012

Espalhando suas cinzas


A arte de escrever nos surpreende as vezes. Como se inicia um texto? Quando surge as ideias? De que forma começamos? Ultimamente, tenho tido uns insights interessantes. Surgem frases ou até mesmo imagens em minha mente que tenho de escrever para não me esquecer. Esse texto que postei hoje no blog literário Coletivo Claraboia foi um desses acontecimentos. Outro dia, indo embora pra casa, olhando pela janela do ônibus a movimentação da avenida Paulista, me veio essa frase. E por mais que tentasse esquecê-la, não saía de minha cabeça. Peguei meu celular e anotei no bloco de notas. No outro dia, sentei pra escrever algo. É um exercício que tenho feito todos os dias. Ia dar continuidade a um outro texto que já tinha começado mas mais uma vez essa frase me veio a cabeça. Não teve jeito. Escrevi como título e, aos poucos a história foi surgindo. Nem tinha ideia de onde isso ia acabar. Quando terminei e reli, confesso que me emocionei. Pensei comigo: danadinho você não? Estava bem guardado em minhas gavetas emocionais e cerebrais só aguardando o momento de se manifestar e exigir de mim que se materializasse em forma de um texto. Está aí. Feito, transformado em uma história bonita, triste mas que é algo comum na vida de todas as pessoas. Quem já não passou por essa vida e não viveu e sofreu por um grande amor?
Deixo aqui o convite para que conheçam o blog literário Coletivo Claraboia e leiam o meu mais novo texto. Aproveito para estender o convite para que leiam os demais textos dos colegas que dividem o blog comigo. Tem textos maravilhosos e para todos os gostos.

3 comentários:

✿ chica disse...

Li agorinha por lá! maravilhoso!valeu! Linda inspiração! beijos,chica

Roseli Pedroso disse...

Oi Chica,
Menina já li seu comentário por lá. Fico contente que tenha gostado.Obrigada.
Bjs

Pedrita disse...

comigo é uma profusão de ideias, frases, histórias, mas raramente chegam no papel. se acumulam enquanto cabem na cabeça. beijos, pedrita