sexta-feira, 7 de junho de 2013

Vergonha para a mulher, vergonha para a nação. Abre teu olho!


Vivemos tempos nebulosos e paira uma nuvem negra sobre nossas cabeças. Quem me conhece sabe que não costumo ser pessimista. No entanto, diante de tantos acontecimentos sucessivos que berram contra os verdadeiros "Direitos Humanos", ponho minhas barbichas de molho.
Lutamos tanto no passado para fazer valer nossos direitos. Direito de voto, direito de ir e vir, direito de escolhas, direito à vida.
Contudo, uma gleba de senhores que se autointitulam guardiães da família e bons costumes, tentam nos enfiar goela abaixo leis, normas, regras que são tudo, menos defesa dos tais "Direitos Humanos". Até mesmo porque, eles são os primeiros a violar tais leis. E talvez a mais importante: Liberdade!
Seja ela de escolha, de gênero, de imprensa, enfim, Liberdade. Plena, Irrestrita, Responsável. 
LI-BER-DA-DE.
Nossa sociedade nunca correu tantos riscos de perdê-la como agora. Sinto no ar cheiro de ditadura da pior espécie. Como um réptil, rasteja sutilmente e com seus tentáculos vai pouco a pouco tomando conta de todos os setores importantes que movem um governo.
Corrupção, desrespeito as decisões da justiça, desmandos públicos, manipulação da informação, compra de votos, e agora, mais esse golpe contra nossa democracia: o Estatuto do Nascituro.
Quero deixar aqui bem claro que particularmente sou contra o aborto. No entanto, sou acima de tudo pelo bom senso. Cada caso é um caso e, cada cabeça uma sentença. Mesmo sendo contra o aborto, respeito a mulher que opta por ele. Cada pessoa sabe o que deve fazer de sua vida, de seu corpo.
Outro absurdo criado por esses mesmos senhores: Bolsa-gestante. Chega a ser ofensivo essa bolsa-gestante. O governo devia era investir massivamente na educação de nossos jovens, dar orientação sexual de fato nas escolas e não essa bolsa-consolo para a mulher que for vítima de estupro. É aviltante, lamentável, ofensivo!
Além do mais, a atitude desses senhores é muito mais movida pelas artimanhas políticas e jogo de interesses escusos do que a preocupação em proteger um embrião. Por conta desses tais interesses mundanos e podres, jogam na latrina todos os direitos que a mulher tão brava e duramente conquistou.
Nasci e fui criada numa família onde a religião sempre esteve presente. A primeira e a mais importante lição que recebi foi o respeito pelas pessoas, pelas instituições e por todas as religiões que existem.Mesmo que não compreenda ou não concorde com as ideologias religiosas vigentes, sempre respeitei. Não é o que tenho visto recentemente. Sempre fomos considerados um país laico. Sempre me orgulhei dessa posição. Mas estamos caminhando para uma via pra lá de perigosa: a imposição de uma postura religiosa se mesclando ao que de pior existe na política de um país: o jogo de poderes.
E para quem acompanha a escala histórica, sabemos bem o resultado dessa união.Nossa democracia corre risco de vida sim! E compete a nós, brasileiros, lutar para que isso não ocorra.

Um comentário:

Clara Lúcia disse...

Tbm sou contra o aborto.
É o que eu digo, Roseli, eles fazem as leis, eles roubam, eles julgam, eles vivem como se o mundo fosse deles.
Não sei onde isso vai parar.
Pra mim essas bolsas não passam de artimanhas pra lavagem de dinheiro.

Eita Brasil!