terça-feira, 12 de agosto de 2014

Vidas provisórias: quantas existem espalhadas por esse mundão - sugestão de leitura


Desde que Edney Silvestre se lançou como escritor, tinha uma certa curiosidade em ler seus livros. Aqui na biblioteca onde trabalho temos todos eles mas até então, não tinha lido nenhum. Sempre estando com um livro ou dois já com a leitura em andamento e assim o tempo foi passando. Até que agora em julho, estando de férias em casa, decidi baixar alguns livros em meu tablet. Foi onde vi o livro Vidas provisórias para baixar grátis.
Iniciei a leitura e gostei bastante de ler no tablet e de conhecer o conteúdo da história. Mas qual não foi minha surpresa ao terminar de ler o que tinha baixado e achar que não tinha baixado tudo. E não tinha mesmo! Retornando das férias peguei o livro na biblioteca e reiniciei a leitura e me envolvi com uma narrativa maravilhosa, personagens que me cativaram.

Sinopse: Expatriados, separados no tempo e na geografia, Paulo e Barbara compartilham, além da experiência do exílio, o estranhamento pela perda de suas identidades, o isolamento e a sensação de interrupção do curso normal de suas vidas. Diferentes motivos os levam ao estrangeiro. Em 1970, Paulo, perseguido pela ditadura militar, é preso, torturado e abandonado sem documentação na fronteira, de onde segue para o Chile e depois para a Suécia. Barbara, com uma identidade falsa, deixa o país para trás em 1991 — durante o governo Collor —, fugindo de um rastro de violência, e se instala nos Estados Unidos como imigrante ilegal. Em seu terceiro romance, Edney Silvestre cria um vigoroso retrato das transformações que ocorreram no país e no mundo nos últimos quarenta anos, com uma trama que viaja pelo Chile, Suécia, Estados Unidos, França e Iraque. O autor se vale, com sensibilidade, de sua experiência de onze anos como correspondente baseado em Nova York para revelar o universo dos imigrantes e, ao mesmo tempo, recriar de forma contundente um Brasil visto a distância

O autor consegue através de sua experiência enquanto jornalista, traçar um painel de um Brasil visto do lado de fora por esses personagens que - de uma hora para outra - se veem arrancados de suas vidas, de suas famílias e jogados num país que não é o seu, uma língua que não dominam, costumes diferentes. mas acima de tudo, o que tortura e oprime não só os personagens mas nós leitores também, é a perda de suas identidades.
Lendo esse livro me peguei várias vezes parando e refletindo em como eu reagiria numa situação semelhante. Não tem como saber. Somente passando por isso é que sentiremos na pele e eu, espero nunca passar por isso. Amei os personagens que são cativantes: Paulo, Bárbara, Sílvio, os demais personagens menores mas tão marcantes quanto os principais.
Leitura excelente e já me deu vontade de ler os demais livros dele: A felicidade não é fácil e Se eu fechar os olhos agora.
Aliás, é esse segundo livro que vou ler pois acabo de ver que os personagens principais são os mesmos que aparecem no livro Vidas Provisórias. Que interessante!
Bom essa é minha dica de leitura de hoje. Para mim foi ótima leitura e espero que vocês gostem também.

Nenhum comentário: