sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Sob a luz de Lua de Papel


Nessa minha longa vida de leitora, já li praticamente de tudo. Romances épicos, romances açucarados e previsíveis, suspenses, terror, gótico, dramaturgia, biografia, autoajuda, poesia, enfim, passeei por diversos gêneros e estilos literários. E nessa minha caminhada literária li autores geniais, medíocres, mais ou menos e aqueles que simplesmente fechei o livro e mandei embora sem dó nem piedade.
Parto sempre do seguinte pressuposto: se escreveu, é porque deve ter algo que queira transmitir.
E, acredite, na maioria das vezes consigo mesmo compreender o que o autor desejou com seu livro, sua história. E tem mais, gosto de conhecer autores de todas as nacionalidades, gosto de penetrar nos universos que fogem de minha rotina. Já li autores espanhóis, italianos, franceses, tchecos, alemães, ingleses, árabes, holandeses, japoneses, e... pasmem! Brasileiros! Não é incrível isso?
Leio, devoro, degusto autores nacionais de vários estilos e épocas. E cada vez que termino um livro de autor nacional paro e penso: Como temos talentos por aqui!!
Anos atrás, tive o grato prazer de conhecer a obra do excelente escritor Josué Montello e ao ler um de seus últimos livros "Uma sombra na parede", pela primeira vez li um romance entre duas moças: Malu e Ariana.Ao término da leitura, parei e pensei: Que puta romance!

Recentemente compareci a um lançamento de livro que me fez ler saborosamente cada frase que compunha a história. Várias vezes me peguei voltando aos capítulos iniciais ou recapitulando o mesmo pelo puro prazer de novamente me deliciar com a bela escrita.
E anos mais tarde, vejo-me com uma história de amor entre duas moças. Dessa vez as protagonistas são: Alexandra e Raissa.
A primeira, uma jovem interiorana que sonha sair das mediações de sua cidade (Teodoro),e ganhar o mundo. Jovem inexperiente, ingênua.
Raissa, uma jovem urbana, vivida, moderna, escritora .
Dois mundos totalmente diferentes entre si mas que pouco a pouco se mesclam e se alimentam numa vivência que, com certeza, enriquecerá a ambas.
Ambientado hora no mundo universitário onde ambas estudam, nos ambientes GLT que Raissa frequenta, hora no mundo simples da cidade de Teodoro.
Algumas vezes confesso que fiquei muito brava com a personagem Alexandra. Sua paralisia, sua negação da realidade, seu desdém com o povo de sua cidade, tudo isso me irritava. Às vezes me pegava brigando em voz alta com a personagem. Isso significa que os personagens foram muito bem desenhados pela autora e tornaram-se verdadeiras diante do leitor - no caso, eu.
Ao término da leitura, já sentia saudades delas e de suas aventuras e desventuras.
(Foto Pedro Mattos Werneck)

Lua de papel, romance da escritora Lunna Guedes tem uma narrativa delicada, lírica, feminina contrariando todo o esteriótipo de que o amor lésbico tenha de ser caricatural, grotesco, masculinizado.
Acompanhar as descobertas de Alexandra, nos leva enquanto leitor, muitas vezes a fazer descobertas em nós mesmo afinal, sentimentos são sentimentos independente do gênero. A paixão, a atração, o querer bem, o desejar alguém. Lunna é uma escritora que trás em sua escrita uma nostalgia que torna a história uma viagem prazerosa. Detalhe: O livro é artesanal e confeccionado pela própria autora. Durante o lançamento, ela foi terminando o livro diante de cada leitor que ali compareceu - o que deu um toque mais que especial ao evento.
Quer ler um trecho do livro? Vem aqui
Para adquirir, acesse aqui

4 comentários:

Luma Rosa disse...

Oi, Roseli!
Sou fã da Lunna e torço para que ela seja um grande sucesso. A sorte é toda nossa de tê-la acessível para nós... rs. Vou lá conferir o livro!
Ah, não entendi quando escreveu "pasmem" se referindo aos autores brasileiros! :D
Boa semana!!
Beijus,

Roseli Pedroso disse...

Oi Luma, leia o livro sim porque é muito bom.
Quando usei o "PAsmem" foi utilizando de ironia mesmo porque infelizmente, observo que a maioria das pessoas menosprezam o talento do escritor brasileiro. Não generalizando é claro, mas grande parcela das pessoas acham autores nacionais ruins, chatos, sem talento. O que vamos combinar, é um absurdo e uma baita ignorância porque o que mais temos por aqui, são talentos e em todas as áreas culturais. Preconceito de quem é desinformado e não lê de fato. Preferem os best seller de uma única fórmula a conhecer linguagens trabalhadas e diferenciadas. Preferem ficar no eterno arroz com feijão sem jamais quebrar a dieta e experimentar outras iguarias. Lamentável! Grata pela visita e comentário. Sempre bom recebê-la por aqui.
Bjs

Georgia Aegerter disse...

Vc e a Lunna, sao escritoras fantásticas.

Beijos

Roseli Pedroso disse...

Oi Georgia!
Feliz em ver você por aqui! Obrigada pelo elogio. Isso me incentiva a escrever mais e melhor. Obrigada!
Bjs